google-site-verification: google1dd19db594c6c3b6.html Crônicas do Peró: Fevereiro 2011

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

JUCA KFOURI ENTREVISTA

    Diante de tanta mediocridade que somos obrigados a assistir nos canais abertos de televisão, como novelas de baixa qualidade, que começam logo após o almoço e vão até após às 22:00 hs; passando por programas de apologia ao crime, chegando ao enfadonho BB não sei que número. Zapeando pelos canais de televisão por assinatura, deparei na ESPN com o programa que o jornalista desportivo Juca Kfouri apresenta ou reapresenta nas noites de quinta-feira, o "Juca Entrevista", programa ao qual já assisti algumas vezes, sendo muito inteligente como é o apresentador e às vezes o entrevistado.
    A entrevista da vez era o professor doutor João Batista Freire, mestre em educação física da Unicamp e outras faculdades, cooperador do maravilhoso programa " Caravana do esporte ", autor de diversos livros sobre educação desportiva, como: " De corpo e alma ", " Pedagogia do futebol ", " O jogo entre o riso e o choro " e outros tantos. Me deliciei com tanta inteligência, com o apego a educação, neste caso também a educação esportiva, mas principalmente com tanta civilidade. Vamos tentar comentar trechos de suas esplanações.
    O professor João Batista que morou no Nordeste e convive muito com o nordestino, diz que é um povo muito trabalhador, diferente do que pensa os bairristas da nossa região, e que a alguns anos os nordestinos  passaram a ter conta em bancos, evitando com isso receber o dinheiro, fruto de seu trabalho, diretamente das mãos de seu coronel, terminando com a relação de favor que tinha entre eles. O que principia o fim do coronealismo e de sua dependência política.
    " Com a bola nos pés muda-se o país. " O professor explica e indaga ao mesmo tempo, se a criança adora estar sempre com a bola nos pés ou nas mãos, porque no nosso sistema de ensino atual a privamos tanto destes momentos. Porque não usarmos estes momentos para ensinarmos outras matérias, o ambiente seria o mais propício.
    Nós brasileiros com nossa cultura e miscigenação, chegamos a vanguarda no futebol, sendo por muitos e muitos anos os melhores  e exemplo para todo o mundo. De tempos para cá estamos deixando esta liderança neste esporte, porque procuramos com nossos profissionais técnicos desta área " europeizar " nossos atletas, aí acrescento,  será que é somente por motivos financeiros?
    O professor acha que os governos não ouvem os profissionais da área, o Ministério dos Esportes está nas mãos de políticos e de interesses além dos esportivos. Na minha mais humilde opinião o Ministério está nas mãos de poderosos, que só pensam em usa-lo para aparecer e defender interesses mais acima de nossa vã compreensão.
    " O PT não tem programa razoável para o esporte". " O PT para o esporte foi péssimo. " Frases do professor João Batista as quais endosso, se vocês se lembram, aqueles que já leram minhas cronicas, que na minha cronica " Por quem os sinos dobram ", eu falo que o bom governo passado não deu prioridade nenhuma para a cultura, agora acrescento também para o esporte.
    Por ultimo para não estender muito, por que assunto teríamos, pois a entrevista foi muito além do que eu posso comentar, o professor disse: " Bola não afasta ninguém das drogas." Confesso que sempre pensei o contrário, sempre pensei que a ociosidade fosse uma das maiores culpadas. Peço a quem ler e quiser debater o assunto ou acrescentar mais dados a esta discussão, o faça, pois prometo me inteirar mais neste tópico.





                                                                                          Amém!

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

UMA NOVA AURORA BOREAL

    A aurora Boreal é um fenómeno luminoso exclusivo do hemisfério norte, origina-se quando partículas electricamente carregadas, transportadas pelo vento solar, chocam com átomos e moléculas da atmosfera terrestre. Os asíaticos acreditam que quem tenha visto a Aurora Boreal, viverá feliz o resto da sua vida, acredita-se ainda que seja uma fonte de fertilidade. É um dos fenómenos mais maravilhoso da natureza.
    Escolho a Aurora Boreal, para ilustrar o fenómeno que está ocorrendo no Oriente Médio e nos países Árabes, quando o povo reprimido por décadas, por ditaduras infindas, sai às ruas pedindo mudanças e que pacificamente quer ver seus sonhos realizados. Ditadores politicamente de direita ou de esquerda, que em seus países governam à mão de ferro, manipulando na política, como na fé inabalada de seus povos, este poder que emana do povo e que deveria ser exercido por eles.
    Nós ocidentais não imaginamos à distancia, o tamanho, a enormidade deste fenómeno, fizemos e ainda às vezes precisamos fazer, revoluções. Estas que eles estão tentando realizar, como já dito pacificamente, com certeza entrarão na história, nos mesmos moldes das revoluções que a humanidade eternizou, como exemplo a Revolução dos Cravos, na qual os portugueses também pacificamente depuseram a ditadura sem fim de Salazar.
    A revolução começou pelo milenar Egipto, depondo 30 anos de ditadura de Hosni Mubarak, em apenas 18 dias de protestos, passando para os países, como o Bahrein, onde uma monarquia institualizada está no poder desde 1971; o Iemen, país mais pobre de todo o Oriente Médio; a Líbia do ditador Muammar Khadafi no poder desde 1970.
    Hoje ao escrever esta cronica, as notícias são de bombardeios aos manifestantes na Líbia, onde este execrável ditador, amante apenas do poder, se agarra na força de seus jatos, disparando covardemente contra pessoas indefesas nas ruas. Sua ditadura é tão cruel e fechada, que mesmo hoje com toda a nossa tecnologia, poucas notícias nos chegam; isso só mostrando o tamanho da luta deste povo, heróis anónimos de um mundo novo que renasce.
    Não sou profeta, como digo sou apenas um poeta, não faço nenhuma previsão futuristica, mas o mundo jamais será o mesmo após esta Revolução, escrevo no singular, pois para mim esta é uma revolução única, pacifica, de um só povo, o povo árabe. Se as grandes potencias mundiais não interferirem, por interesse, deixando eles resolverem, será um dos maiores fenómenos já realizados pela humanidade, fenómeno como se uma Aurora Boreal pudesse ser vista de todos os lugares da Terra.




                                                                                                      Amém!
  

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

MEUS CLÁSSICOS INESQUECÍVEIS

    Sempre li muito, na minha adolescência forçado por uma professora de literatura, que não ia muito com minha cara, o que me obrigou a fazer da matéria língua portuguesa, a mais estudada. Li muito, tirei proveito de poucos livros nesta época, pois lia por obrigação, mas esta leitura com o correr dos tempos, passou de obrigação a hábito, não conseguindo mais ficar sem ler. Li de tudo, romances, biografias, história, ficção, poesias, clássicos, nestes vou me ater nesta cronica de hoje.
    De todos os livros que já li em minha vida, posso sem medo de cometer engano, foram este clássicos os livros que mais apreciei de ter lido, comento hoje com meus filhos que também adquiriram o habito da leitura, que todos deveriam antes de morrer, ler estes e outros clássicos. Para mim principalmente este três que vou comentar a seguir.
    O primeiro que li foi " Crime e castigo " de Fiódor Dostoievsk, publicado em 1866 pela primeira vez, com seu personagem principal Rodion Românovitch Raskólnikov. Durante muitos anos estive com este livro nas mãos, livro que comprei do Círculo do livro ao qual fui associado durante muitos anos, sinto falta hoje em dia de um clube, um programa de leitura como este, voltando ao livro, por muitas vezes comecei a ler, parando no começo, achando chato e enfadonho. Uns tempos depois mais amadurecido, comecei a ler, não conseguindo parar, até pouco tempo depois chegar ao final. É exuberante a narrativa de Dostoiévsk, uma coisa de outro mundo, o crime e o que ele descreve nos sentimentos do personagem Raskólnikov, seu drama de consciência.
    Depois, com o que representou  ler Crime e castigo, tendo em casa " Vermelho e o negro" de Stendhal pseudonio de Marie Henri Beyle, publicado na França pela primeira vez em 1830, com seu também emblemático personagem principal Julien Sorel, adquirido da mesma forma que o anterior do Círculo do livro, li também sem conseguir parar de ler, como dizemos quando mergulhamos numa obra e sendo consumido por esta. Stendhal descreve como poucos a vida de seu personagem desde a infância, passando pela puberdade e pela sua idade adulta. Quantos conflitos lembro até hoje, muitos anos depois de ler, trazendo na memória como se fosse uma leitura realizada recentemente.
    Antes de descrever o terceiro livro, melhor dizendo a terceira obra, pois esta compõe de no mínimo dois livros impressos, na verdade 5 volumes. Volto a dizer que a leitura destes clássicos foram marcantes na minha vida, uso muito do que esta escrito como filosofia de vida, do gosto por escrever, que estes nobres autores tiveram, criando em mim a sensação que o escrever não é difícil e é possível, quando se põe a alma nas paginas de uma obra.
    Vamos então ao terceiro clássico, o que mais gostei quando se tem que afirmar alguma preferência, " Os miseráveis " de Victor Hugo, também publicado na França, pela primeira vez em 1862, com a saga de Jean Valjean, este livro meu filho trouxe da biblioteca da sua escola, vendo meu entusiasmo em ler os clássicos, ele  disse-me: Acho que o senhor vai gostar deste. Demorei mais para ler, pois cada um dos livros tem mais de mil paginas, e também porque não tive pressa, pois a cada história eu apaixonava mais pela obra, a história de Jean Valjean com seus outros personagens: O inspector Javert, a iludida Cosette e a pobre Fantine. Victor Hugo escreveu para mim a mais linda das obras literárias de todos os tempos, definindo nesta frase: " Dante uma vez fez um Inferno com a poesia, e eu escrevo sobre o Inferno que é a vida real de nossa época."
    Amigos e amigas se vocês não leram uma ou nenhuma destas obras, experimentem ler, vocês verão o quão bela e importante será para vocês.





                                                                                                           Amém!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

REFLEXÃO DE UMA POESIA

     Hoje estava assistindo no meu computador a um clip, uma canção lindíssima que a cantora Beth Carvalho  canta junto com a cantora argentina Mercedes Sosa. A canção " Só peço a Deus- ( Solo le pido a Dios) ", do musico e poeta popular argentino Leon Gieco, que mistura em suas composições o genero folclórico com o rock argentino, suas canções são de conotações sociais e politicas, sempre em favor dos direitos humanos e de soliedariedade aos excluídos.
    Se você é daqueles ou daquelas que gosta de curtir uma boa musica, numa excelente interpretação, procure no You tube, eu adorei, por isso vou refletir um pouco sobre a poesia desta musica. Sou fã das musicas as quais denominamos " músicas de protesto ", genero no Brasil de músicos e poetas como: Chico Buarque, Geraldo Vandré e tantos outros, que fizeram de suas obras contestações sociais e politicas.
    A poesia é esta:
                                  " Só peço a Deus
                                    que a dor não me seja indiferente,
                                    que a seca morte não me encontre
                                    vazio e só sem ter feito o suficiente.

                                    Só peço a Deus
                                    que o injusto não me seja indiferente,
                                    que não me esbofeteiem a outra face.
                                    Depois que uma garra me arranhou essa sorte.

                                    Só peço a Deus
                                    que a guerra não me seja indiferente,
                                    é um monstro grande e esmaga
                                    toda pobre inocência da gente.

                                    Só peço a Deus
                                    que a mentira não me seja indiferente,
                                    se um traidor pode mais que um povo
                                    que esse povo não o esqueça facilmente.

                                    Só peço a Deus
                                    que o futuro não me seja indiferente,
                                    desiludido está o que tem de marchar
                                    para viver numa cultura diferente. "

    Gostaram? Ouçam isso no clip junto com a linda melodia e as maravilhosas interpretações, eu adorei, pois no meio de tantas porcarias que assistimos todo o dia na televisão e ouvimos nos aparelhos de sons, uma boa obra nos faz acreditar que tudo é possível ainda, neste mundo de Deus.
    As musicas de protesto com a redemocratização do país, com o fim da ditadura militar e a melhoria na condição social da nossa gente, perdeu sua necessidade básica, sua inspiração, mas continua com suas belas canções um momento de reflexão para nossas almas, e um deleite para nossos ouvidos.




                                                                                                                     Amém!




    
    

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

VOLTA AS AULAS

    Estava no dia de ontem a conversar, com alguns profissionais de educação, sobre o sistema de escolha, quer do ensino oficial do estado de São Paulo, quer do município de Paraibuna, falávamos do modo arcaico que as vezes esses sistemas são oferecidos aos professores, com critérios que não objetivam nenhuma qualidade, favorecendo ainda professores sem comprometimento com a qualidade de ensino, basta ressaltar que graças à Deus os maus professores são uma minoria. Surgiu o assunto que vamos nos estender um pouco, a diminuição do numero de classes de aula, no ensino publico.
    No dialogo fui informado que é grande o numero de classes de aula que estão sendo fechadas, por motivo de falta de matriculas, são professores que estão ficando sem salas de aula para lecionar. Continuamos a dialogar buscando respostas para esta ausência de alunos.
    Um dos motivos é o aumento do poder aquisitivo da população, com a melhora da renda familiar, muitos estão buscando colocar os filhos em escolas do ensino particular, onde se acredita ter um melhor nível de qualidade de ensino. Comentamos outros motivos que são menores, aos quais não vou me ater. Porque chegamos a conclusão que o grande motivo, o principal é a diminuição de habitantes  na idade escolar, no nosso município. Hoje está ocorrendo aqui e acredito em quase todas as regiões do estado de São Paulo, a desaceleração populacional, utilizando outras palavras, está há anos nascendo menos gente.
    Busco respostas a este fenómeno, para tentar compreender melhor e vejo que é um fenómeno global dos países ricos e emergentes, vamos daqui a poucos anos começar também a diminuição do total da população, fato este não mais acelerado devido ao aumento da idade média da população. Nascemos menos mas vivemos mais, esta é a atual lógica demográfica em nosso país e no maioria das regiões do planeta, excetuando-se a África e a Ásia.
    Voltando ao assunto, para Paraibuna, espero que as autoridades pensem naqueles profissionais que na sua quase total maioria dedicam suas carreiras para o bem da educação, melhor dizendo, não deixem um professor que já tenha classe de aula no passado, sem uma classe de aula hoje no presente.






                                                                                                    Amém!

P.S.  Em breve explicarei o porque uso "Amém" nos finais dos textos.