google-site-verification: google1dd19db594c6c3b6.html Crônicas do Peró: Março 2011

segunda-feira, 28 de março de 2011

HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

CRONOLÓGICAMENTE: MULHER


---- JÁ FUI A COSTELA ARRANCADA DO HOMEM
PARTICIPEI DA PRIMEIRA CRIAÇÃO

---- JÁ CAUSEI GUERRAS COMO A DE TRÓIA
ONDE O CAVALO DE PAU FEZ A CONFUSÃO

---- JÁ FUI A ESCOLHIDA DE DEUS
PARA A HUMANIDADE MOSTRAR A SALVAÇÃO

---- JÁ DESCI ÀS CAVERNAS DA CAPADÓCIA
POR DEFENDER AS CRENÇAS DO CRISTÃO

---- JÁ COMANDEI COM FORÇAS EXÉRCITOS
A FOGUEIRA FOI MINHA CONDENAÇÃO

---- JÁ FUI SOBERANA EM MUITOS REINOS
MAS LEVEI OUTROS A PERDIÇÃO

---- JÁ VIREI INTELECTUAL TOMEI A PILULA
PARA CAUSAR A GRANDE REVOLUÇÃO

---- JÁ TRABALHEI MUITO E GANHEI MENOS
DEIXEI DE SER ARTIGO DE LIQUIDAÇÃO

---- JÁ SOFRI VIOLENCIA VI O ABORTO
PORÉM MEUS FILHOS SERÃO A SOLUÇÃO

---- JÁ VI O CHORO DE MUITAS MARIAS
DE JOSÉ E JOÃO PARTIU A AGRESSÃO

---- JÀ PASSEI FOME SOU ANALFABETA
OS PODEROSOS CRIARAM A CORRUPÇÃO

---- JÁ VI A MÃE TERRA CHORAR
O APOCALIPSE SER A DESTRUIÇÃO

---- HOJE TENHO DIA DE HOMENAGEM
MEREÇO TODA ESSA COMEMORAÇÃO.
Cláudio Peró
08/03/2008

PERDOEM-ME






(1) Perdoem-me

Perdoem-me, os meus.

Por ter sonhado demais,
Dormindo ou acordado,
Por tanta falta de ambição,
Que causou-nos tantas privações,
Por tantas zangas,
Com ou sem razões.

Perdoem-me, os meus

Por querer um mundo justo,
Fez-me acreditar em muitos,
Por sonhar com belas utopias,
Fez-me idolatrar poucos,
Por perder a ilusão,
Fez-me duro o coração.

Perdoem-me, os meus

Ter-me achado tão inteligente,
Não deixou-me ver o simples,
Sempre achar-me certo,
Não permitindo admitir os erros,
Ser sempre o dono das verdades,
Não aceitei as discussões.

Perdoem-me, os meus

Por ter pouca fé,
Deixei Deus distante,
Por ter pouco amor,
Vivi só de paixão,
Por ter sonhado tanto,
Não os disse: Te amo.

segunda-feira, 14 de março de 2011

" A FRATERNIDADE E A VIDA NO PLANETA "

    Faz tempo que não escrevo uma cronica, ultimo texto que publiquei foi um poema antigo " Vago ", estive sem escrever, pois meu filho que mora em Santa Catarina, veio passar o feriado de Carnaval em casa, estava com saudades e como ele estuda sistema de computação, apossa do computador o tempo que não estamos a conversar.
    Neste tempo, assunto para uma cronica é que não faltou, tivemos o Carnaval em Paraibuna, a nossa pamonhada; o terremoto e o tsunami no Japão; a denuncia da industria de multas no global Fantástico, já fui vitima deles em São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina; a visita do presidente ianque ao Brasil-Colonia; muitos outros assuntos, mas resolvi após ir a missa de Domingo, escrever sobre o tema da Campanha da fraternidade de 2011.
    A Campanha da fraternidade com o tema: " A fraternidade e a vida no planeta ", e o lema: " A criação geme em dores de parto ", que foi tirado da carta de São Paulo aos romanos ( Rm. 8,22): " Pois sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores de parto até o presente. " Vem nos fazer em hora oportuna, ver o quanto estamos precipitando o fim dos nossos dias no planeta Terra. Será o lema uma previsão apocalíptica, não creio, mas ultimamente ando com medo de duvidar, pois com minha fé, não gostaria deste momento me pegar desprevenido.
    As catástrofes no mundo inteiro, a cada ano pior; vidas sendo ceifadas aos milhares por culpa única dos descasos da nossa espécie; a degradação do sentido e do sentimento de família; a ambição de poder pelo poder, dos mais ricos; a busca insensata de afrontamento a Deus e a fé dos que ainda acreditam, o banquete dos que ostentam em detrimento dos que passam fome, o descaso pelo bem maior que é o dom da Vida. Medito e às vezes me pego a pensar, a olhar para cima, buscando se não está a chegar a hora, da visão dos Cavaleiros.
    A igreja católica nos convida, não só os católicos, mas todos os homens de boa vontade, nestes dias de quaresma, a repensar, a meditar e a agir; como podemos transformar este planeta condenado; fazê-lo ressurgir, se reanimar, caminhar para o que um dia Deus imaginou, o Paraíso aqui na Terra.
    De São Paulo é também a meditação sobre o que nos resta, a esperança: "Ora, ver o objeto da esperança, já não é esperança, porque o que alguém vê, como é que ainda o espera?" ( Rm 8,24).





                                                                       Amém!

quinta-feira, 3 de março de 2011

VAGO

  1. VAGO

Vago pelos pensamentos,
Vou a todos os lugares,
Viajo pelas mentes,
Volátil,
Verme,
Vácuo.

Venero suas crenças,
Venho de valhacouto,
Voando pelos vagalhões,
Vagabundo,
Vadio,
Valente.

Viram minhas loucuras,
Vaidoso viajante ébrio,
Vais, voltar de onde?
Vagaroso,
Vagalume,
Vazio.


Vago pelos pensamentos............




Cláudio Peró        

terça-feira, 1 de março de 2011

A AMPULHETA E O TEMPO

    Hoje, 1 de Março, do ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2011; resolvi escrever sobre o TEMPO, não o tempo nublado que esta lá fora, que quando chove inunda varias de nossas cidades ou que quando não chove faz um calor como nunca observei neste meio século de minha existência, mas sim o Tempo que está a passar voando pela janela de minha vida, representando cada vez, passar mais rápido, muito mais depressa que observei anteriormente.
    Sempre achei que quando o homem compreendesse a grandeza física "tempo", não só compreender como dominar, ele explicaria a existência de Deus, como de toda a origem do universo;  não sou físico, mas gosto de ler e estudar esta matéria, como gosto também de história e de ficção científica, quando leio sobre o tema " tempo ", me deparo sobre todos estes assuntos abordando apenas um o "tempo ".
    Já li, não me aprofundando muito, sobre experiência de Michelson-Morley, os paradoxos dos gêmeos, a constante cosmológica, buracos negros, teoria quântica, singularidades, principio de incerteza, o conceito do tempo, teoria de Yang- Mills, teoria das cordas, as "p-branas", supergravidade com 11 dimensões, teoria do tempo imaginário e muitas mais. Percebi que esta grandeza física controla a grande criação, a relação nossa com o espaço, como ser e com o viver; busco a compreensão do " tempo" passar mais rápido a cada dia no meu entendimento, busco o porque desta existência. Hoje em dia pergunto a Deus tudo isto e espero respostas.Tento ver o mundo, mais pelo plano da filosofia e da teologia, mas sem esquecer o plano da lógica.
    " Eu poderia viver recluso numa casca de noz e me considerar rei do espaço infinito". Shakespeare em " Hamlet ", ato 2 cena 2, segundo Stephen Hawking que cita muito este trecho em sua obra: " O universo numa casca de noz ", explicando que não devemos ficar reclusos em nosso próprio universo, e sim expandir nossos pensamentos ao infinito.
    Porque meu "tempo" esta passando mais rápido? A proximidade do fim ou é apenas a proximidade da origem, do entendimento. Como seria o "tempo" num lugar mais distante do universo, teria que viver muitas vidas, buscar muitos anos-luzes, para entender a resposta.





                                                                         AMÉM!